RIEN QUE LES HEURES, UM FILME FLÂNEUR

Herman Augustinho da Cruz

Resumo


"Nada como o passar das horas", do brasileiro Alberto Cavalcanti foi o segundo filme das chamadas "City Symphony" ou Sinfonia das Cidades, um gênero que nasceu nos anos 1920 e se interessou pela urbanidade e suas relações com o espaço e o tempo; realizado em Paris em 1926 esta obra também contribuiu com a criação do gênero documentário e dos atuais subgêneros: videoclipe e vídeo poema. Dentre as relações suscitadas por essa obra, este artigo focaliza a semelhança do olhar da câmera de Cavalcanti com o exercício da flânerie nascidades, e para tanto, se utiliza das observações de Charles Baudelaire e das análises sobre o tema por Walter Benjamin.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.