A GAGUEIRA SOB O OLHAR DE HOLLYWOOD: REPRESENTAÇÕES DO SUJEITO GAGO NO CINEMA

Kézia Santos de Oliveira

Resumo


Introdução: O cinema enquanto expressão cultural possui grande alcance de público, o que pode modificar ou reforçar o imaginário coletivo em relação à determinada parcela da sociedade. Apesar dos avanços na literatura científica, ainda existe certo estigma social associado à gagueira. Ao utilizar o cinema como material de análise, permite-se discutir e tentar compreender como parte da sociedade entende e expõe o discurso do sujeito-gago. Objetivo: Analisar a representação da gagueira em três obras cinematográficas. Método: Este estudo tem delineamento transversal, observacional, de natureza qualitativa-descritiva. Foram selecionados três filmes lançados em décadas distintas: “O Homem que Matou o Facínora” (1962), “Um Estranho no Ninho” (1975) e “O Discurso do Rei” (2010). Os filmes foram analisados a partir de pressupostos tanto da Análise do Discurso de linha francesa, por Pechêux, como de elementos da Análise Fílmica (VANOYE; GOLIOT-LÉTÉ, 2012). Resultados: Observou-se que muitas das crenças difundidas pelo senso comum sobre a gagueira estão presentes no cinema, de modo implícito ou não. Não há, entre os filmes analisados, uma representação uniforme da gagueira, sendo que apenas o filme “O Discurso do Rei” apresentou um retrato mais próximo à realidade do sujeito-gago. Conclusões: É importante que o sujeito-gago possa identificar no material fílmico a complexidade inerente a qualquer indivíduo. Faz-se necessária a realização de mais estudos sobre este assunto, os quais poderão fornecer subsídios para a elaboração de projetos voltados à conscientização da população acerca da gagueira

Palavras-chave: Cinema; Linguagem; Gagueira.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.